Arquivo de abril, 2013

imagesCA7Y84DV

Não basta saber fazer umas embaixadas e uns dribles parecidos com os do Ronaldinho. Para ser um craque profissional no Brasil é preciso vencer uma peneira de altíssimo nível. Para você que não se assusta com a concorrência e confia no seu talento, fizemos um roteiro para o início da carreira de jogador

Meus amigos dizem que eu sou bom de bola, como entro em um clube?

Não adianta se iludir: no país do futebol, mesmo se você é bom com a bola nos pés, não é nada fácil entrar em um grande clube. “De cada mil garotos testados, em média, o clube aproveita um”, diz o empresário Cláudio Sparapani, dono da Unidade Piloto do São Paulo Futebol Center, franquia de escolinhas criada pelo clube tricolor, que hoje já conta com 22 unidades em São Paulo, uma na Coréia do Sul e uma na Tailândia.

Escolinha

Escolas de futebol associadas a grandes clubes, aliás, têm sido um dos principais trampolins para meninos bons de bola. Hoje, a maioria dos clubes mantém contato permanente com algumas escolinhas e, de tempos em tempos, envia representantes para testar garotos que se destacam em cada uma delas. São Paulo, Corinthians, Flamengo e até o São Caetano emprestam suas marcas para escolinhas.

O tricolor paulista, por exemplo, que conta com uma das melhores estruturas para a formação de jogadores, deixou de fazer testes abertos – as famosas peneiras – e só testa meninos pré-avaliados pelas escolinhas licenciadas ou por treinadores conhecidos de outras escolinhas ou por olheiros.

Olheiros

Todos os grandes clubes contam com olheiros, que podem ser profissionais contratados pelo clube, os próprios treinadores das divisões de base ou pessoas de confiança (ex-jogadores, por exemplo). O Cruzeiro é dos clubes que contam com olheiros permanentes, que vivem rodando pelo país em busca de torneios com garotos de 13 a 16 anos. “Temos quatro avaliadores permanentes, mas, no mês de janeiro, quando acontecem muitos campeonatos amadores, espalhamos 12 pessoas pelo país”, diz o diretor das divisões de base, João Gualberto Silva.

Peneira

Além de contar com essa rede de “espiões”, os cruzeirenses atiram em outras direções para não perder nenhum menino talentoso: estão conveniados com cerca de 200 escolinhas e realizam peneiras abertas até quatro vezes por semana. Centenas de garotos comparecem a essas peneiras e, em poucos minutos, precisam mostrar que são bons o suficiente para tirar alguém do clube, afinal as divisões de base funcionam como o “time de cima”: para que novos jogadores entrem no time, outros têm que sair. “Alguns pais reclamam que seus filhos se destacaram nos testes e não foram chamados, mas aí explicamos que o nível técnico das nossas equipes é muito mais alto do que os das avaliações”, diz Flávio Alves, supervisor do futebol amador do Corinthians, que, além de testar os alunos das escolinhas, realiza peneiras com até 10 mil garotos.

Enfim, o teste

Seja indicado por um olheiro, pelos treinadores de uma escolinha ou tentando a sorte em uma peneira, de uma coisa você não escapará: terá que mostrar o seu potencial sob pressão. Embora alguns testes contem com exercícios para o jogador mostrar sua habilidade, em geral o que os avaliadores querem mesmo é te testar em uma situação real de jogo.

Portanto, você entrará em um time de desconhecidos, que, assim como você, estão brigando pela vaga, e, apesar do ambiente desconfortável, essa é sua chance de mostrar tudo que sabe. Tente ficar tranqüilo e nem pense em prender demais a bola para mostrar que é craque – a capacidade de jogar em equipe é uma das características mais desejadas pelos treinadores.

Se não for aprovado, treine mais e tente de novo. É sempre bom lembrar o exemplo do lateral Cafu, que foi reprovado em 12 peneiras (quatro no São Paulo) e só conseguiu um lugar ao sol quando um olheiro do próprio São Paulo o viu jogando pelo Itaquaquecetubense, um timinho do interior de São Paulo, e o convidou para um teste.

Como posso aprimorar minha técnica?

Mesmo se você já tiver conseguido entrar em um clube, não pense que você é um jogador completo e, mais do que isso, não pense que seu lugar no clube está garantido. A competição nas divisões de base de um grande clube é até maior do que no time principal. “Toda semana chegam pelo menos cinco ou seis garotos para passar por um período de experiência”, diz João Gualberto, do Cruzeiro. Para ficar no clube esses garotos precisam derrubar alguém, que pode ser você. Portanto, não alivie nos treinos: sempre é possível aprimorar qualidades e corrigir defeitos (ou você pensa que o Ronaldinho Gaúcho nasceu sabendo bater falta, dar “elástico” e chutar com as duas pernas?).

Contudo, segundo o fisiologista Turíbio de Barros Neto, do São Paulo, é preciso tomar cuidado com o tipo de treinamento. Treinamento físico específico, para fazer a musculatura bombar, só a partir dos 17 ou 18 anos. Até essa idade, treine bastante com bola, desenvolvendo os fundamentos do futebol: passe, chute, cabeceio e drible.

Um bom exercício para suprir uma carência comum no futebol é se forçar a chutar com a perna ruim (a esquerda, se você é destro). Comece tabelando com a parede e depois arrisque alguns passes de pé “trocado” em campo. Chutar com as duas pernas amplia suas opções no jogo e, por isso, é uma das habilidades mais valorizadas nos testes.

Não sei se sou melhor na zaga ou no ataque. Como defino minha posição?

Muitas vezes quem define a posição do garoto é seu pai, achando que está fazendo o melhor para ele. “É comum um menino chegar aqui jogando na posição errada porque o pai o obriga. Nesse caso, deixamos que ele fracasse para mostrar que o pai está enganado”, diz o treinador Adir Martins, que coordena uma das escolinhas do São Paulo. A experiência dos professores de escolinhas conta bastante nessa hora: pelo jeito com que um menino bate na bola e a forma como corre, eles já sabem indicar qual é a sua vocação. Na verdade, já existe um padrão na cabeça dos avaliadores. Veja em qual estilo você se encaixa:

Goleiro: Alto e ágil. Claro que não precisa ter 1,80 m com 14 anos (não é basquete!), mas é obrigatório que o garoto seja maior do que a maioria dos seus colegas.

Zagueiro: Alto, corpulento, boa impulsão e cabeceio. Não precisa ser o maior craque com a bola no pé, mas precisa ter corpo para ganhar uma dividida e altura suficiente para se sobressair nas bolas altas.

Lateral: Bom preparo físico e habilidade nos passes e lançamentos. A estatura não é tão importante para um lateral. O principal são os pulmões e a qualidade do passe.

Volante: Corpo avantajado e boa capacidade de marcação. Altura não é essencial, mas não dá para ser magrelo: o volante não pode se dar mal nas divididas.

Armador: Bom preparo físico, passe preciso e boa visão do jogo. O cérebro do time não precisa ter um corpo muito avantajado, embora hoje os clubes já não se animem tanto com garotos habilidosos, mas raquíticos – no futebol moderno, armadores também precisam marcar.

Atacante: Rápido, boa finalização e, de preferência, alto. Até recentemente, altura não era um pré-requisito para atacantes, mas isso mudou. “Nem todos exigem que o atacante seja alto, mas no São Paulo, por exemplo, baixinhos não têm espaço”, diz Adir.

Já estou jogando em um clube e um empresário me ofereceu um contrato. Que cuidados devo tomar?

Para início de conversa, um atleta só pode assinar contratos que definam vínculo com um clube, com uma pessoa ou uma marca a partir dos 16 anos. “Todos os contratos firmados antes dos 16 anos, mesmo com a autorização dos pais, podem ser anulados”, diz o advogado Eduardo Novaes, do Sindicato dos Atletas Profissionais do Estado de São Paulo. Apesar disso, muitos aproveitadores tentam tirar vantagem de craques mirins apresentando-se como empresários, com propostas tentadoras envolvendo adiantamentos em dinheiro ou em artigos esportivos. Fuja dessa roubada! Antes de se profissionalizar, contente-se com a ajuda de custo oferecida pelo clube e pense apenas nos treinos – se você fizer tudo direitinho, a grana virá naturalmente.

Se o clube te oferecer um contrato de profissionalização, aí sim vale a pena procurar um empresário, que pode negociar valores e condições melhores para você. Esse empresário (ou agente) pode ser uma pessoa de confiança com vocação para os negócios ou, se você não conhecer ninguém com esse perfil, um agente credenciado pela Fifa – no Brasil, eles só são credenciados se forem aprovados em testes na CBF.

Além do agente, é sempre bom contar com um auxílio jurídico. Muitos agentes são advogados, mas também dá para pedir a orientação dos sindicatos de atletas. O de São Paulo, por exemplo, oferece orientação gratuita – basta levar o contrato que eles analisam.

imagesCA4E57TL

A santidade da mimosa é um dos preceitos da religião hindu. Textos sagrados, como os Vedas, compilados por volta de 1500 a.C., associam o animal à fertilidade e a divindades como Krishna, que teria sido pastor. O hinduísmo sofreu ainda a influência de outra crença, o jainismo, que prega o vegetarianismo e a não-violência. Assim, associada à figura materna por fornecer leite, a vaca também virou objeto de devoção por suas qualidades simbólicas, como humildade e docilidade. Para ter uma ideia do status da ruminante, ela é considerada mais “pura” que a casta mais elevada da sociedade indiana: os brâmanes (sacerdotes). Não à toa, na maioria dos estados indianos o abate desse animal é proibido e, para desespero de muitos guardas de trânsito, ela pode circular com desenvoltura pelas ruas sem ser incomodada. Mas a adoração da mimosa não é uma unanimidade na Índia. Embora cerca de 80% da população seja hindu, há milhões de devotos de outras crenças, como cristãos e mulçumanos, que não cultuam a vaca. Seja como for, todo mundo respeita o animal por lá, e, como você pode ver abaixo, até seus excrementos são usados em rituais! }:-]

127867945643

 

 

“SANTA” MULTIUSO

Até o xixi e as fezes das vaquinhas são usados em rituais de purificação

NO COURO DOS OUTROS É REFRESCO

Para a alegria dos mais de 200 milhões de vacas indianas, devido à proibição do abate do animal em quase todo o país, a maior parte do couro utilizado na Índia vem de cabras e búfalos, deixando o gado em terceira posição.

MCVEGETAL

As mais de cem lojas do McDonald’s espalhadas pela Índia contam com dois menus: um vegan radical, cuja maionese nem leva ovos e os hambúrgueres são de vegetais, e outro que inclui frango e peixe. Carne de vaca nem pensar!

CAUBÓIS DO ASFALTO

A superpopulação bovina nas cidades – onde as vacas “pastam” entre carros, anarquizando o trânsito já caótico – criou até uma profissão: os caubóis urbanos. Eles caçam as desgarradas com laços, mas têm de driblar os hindus radicais, que atiram pedras nos “molestadores” das mimosas

ASILO RUMINANTE

Para cuidar de vaquinhas atropeladas, idosas ou doentes, muitos indianos largam seus afazeres e criam hospitais e casas de repouso para onde os bichos são levados e passam o resto de seus dias pastando na boa

APROVEITAMENTO TOTAL

Além de servir como alimento, o leite e seus derivados, como manteiga, são usados em oferendas e cerimônias de purificação. Já o esterco, depois de seco, pode virar lenha em rituais. Há até um refrigerante feito de urina de vaca e que promete curar doenças!

O que é a barreira do som?

Publicado: abril 8, 2013 em Uncategorized

aviao-jato-barreira-do-som
O som se propaga no ar em ondas concêntricas, como faz uma pedra ao cair em um lago. A barreira do som é o limite de velocidade em que um avião pode se deslocar no ar sem atropelar as ondas sonoras emitidas por ele mesmo. A velocidade do som no ar é de 340 metros por segundo (1 200 km/h), aproximadamente. À medida que o avião acelera, essas ondas vão se juntando e ficando como que empilhadas à sua frente, como uma série de barbantes entrelaçados. Quando o avião finalmente consegue superar a velocidade das ondas, rompe esse cordão imaginário. “No momento em que a velocidade do som é ultrapassada, ouve-se um estrondo. É a isso que chamamos romper a barreira do som”, diz o físico Carlos Luengo, da Unicamp. Uma vez rompida a barreira, não há mais estrondos, pois, embora as frentes de ondas continuem a se propagar, elas vão ficando para trás e o vôo prossegue totalmente silencioso. O primeiro vôo supersônico foi realizado em 14 de outubro de 1947, pelo americano Chuck Yeager, pilotando um Bell X-1. De acordo com Luengo, os primeiros aviões a ultrapassar a barreira faziam isso em queda livre.

Ultrapassagem trovejante Avião supersônico atropela as ondas sonoras emitidas por ele mesmo, provocando um grande estrondo1. As ondas sonoras se propagam de forma concêntrica

2. À medida que se amplia a velocidade do avião, o ruído também aumenta, pois as ondas vão se achatando

3. Quando a nave finalmente atinge a mesma velocidade que o som, ouve-se um estrondo, sinal de que foi rompida a barreira

untitled3

Missão da Polícia Civil

A Polícia Judiciária ou polícia investigativa atua na defesa da sociedade e na preservação da ordem pública, promovendo e participando de medidas de proteção à sociedade e ao indivíduo, exercendo com excelência suas atribuições, ou seja, a apuração das infrações penais e a identificação de sua autoria.

Objetivos

  • Garantir a segurança dos cidadãos;
  • Investigar e descobrir a autoria dos crimes, colhendo e transmitindo às autoridades competentes os indícios e provas, indagando seus autores e cúmplices, concorrendo eficazmente para que sejam levados aos tribunais.

Política da Qualidade

  • Buscar a Excelência

Diretrizes

  • Obediência à hierarquia e à disciplina;
  • Respeito à dignidade da pessoa humana, garantindo a integridade física e moral da população;
  • Preservação da ordem, repelindo a violência e fazendo observar as leis;
  • Atuação na defesa civil, prestando permanentes serviços à comunidade;
  • O exercício da função policial com probidade, discrição e moderação;
  • Conduta funcional dentro de padrões éticos e morais.

Atuação

Atua na área de segurança pública prestando os seus serviços para toda a população do Estado.

Funcionamento

A Polícia Civil  executa um serviço distinto da generalidade dos serviços públicos. O trabalho policial é complexo, característico, ininterrupto, requerendo daqueles que o executam, atenção contínua, disciplina, dedicação, prudência, discrição, iniciativa, presteza, decisão, perspicácia, urbanidade e abnegação. Desconhece, o funcionário policial, horário, condições climatéricas, distâncias e riscos. Assim é o funcionamento da nobre atividade policial.

imagesCARNA5E5                                untitled5 

 

O Policial de ROTA

logoBTA

Para conseguir otimizar seus serviços, a ROTA depende do aspecto mais
importante dentro de sua estrutura: o homem. Diferenciados pelas boinas negras e
pelo braçal com a inscrição “ROTA” e o Brasão do Primeiro Batalhão de Choque
“TOBIAS DE AGUIAR”, estes policiais não sentem em suas fardas um grau de
superioridade, mas sim um sentimento de bem servir aos preceitos assimilados e
aprendidos desde o início de suas carreiras, obedecendo ao juramento por eles
prestados em seu ingresso nas fileiras da Corporação. Com um treinamento
constante, uma noção pormenorizada de doutrina em patrulhamento, o que leva à
padronização quase total de procedimentos, e um elevado respeito aos ditames de
Hierarquia e Disciplina dentro da Polícia Militar, nossos homens buscam em seu
dia-a-dia o motivo que faz da ROTA um símbolo de qualidade e um exemplo a ser
seguido: a máxima qualidade no emprego de meios para a defesa da sociedade.

untitled

Venon GT reivindica agora a melhor marca. Testes indicam que o modelo pode alcançar 430 km/h

51714_1                                             51715_1

O Bugatti Veyron Super Sport perdeu o título de carro de produção mais rápido do mundo. Após uma investigação do site britânico Driving, o Guinness Book retirou o título do Bugatti após descobrir que o supercarro utilizado para atingir a marca de 430 km/h estava com seu limitador de velocidade desativado durante os testes.

Alguns concorrentes do Bugatti estão na fila para serem reconhecidos como os mais rápidos do mundo. O SSC Ultimate Aero, que acelera até 411 km/h e o Venon GT que, em alguns testes conseguiu chegar à marca de 427 km/h, são alguns dos candidatos.

Alex

Publicado: abril 8, 2013 em Uncategorized

Olá